55 3281.1809

Rua Benjamin Constant, 907 Caçapava do Sul - RS

4 dicas: Melhore suas fotos de viagem


Apesar da tensão sempre existente entre fotografar e vivenciar uma viagem, todo turista é um fotógrafo. Mas você não precisa saber grandes regulagens manuais nem ter máquinas enormes pra tirar fotos legais. As câmeras automáticas compactas cuidam das regulagens necessárias pra maioria dos tipos de foto, e têm uma boa qualidade de imagem. Agora, se você conhecer um pouquinho seu equipamento, e treinar a olhar antes de apontar e clicar, verá que dá pra melhorar bastante. Há certas coisas que uma máquina nunca poderá fazer por você, e uma delas é tirar boas fotos.

1. PRESTE ATENÇÃO NA COMPOSIÇÃO:

Pra melhorar suas fotos, o primeiro passo é passar a pensar nelas, em vez de simplesmente clicar a esmo tudo o que lhe aparece pela frente. Transforme o ato de fotografar em algo consciente e verá suas fotos melhorarem drasticamente sem precisar gastar nada em equipamento. Fotografe primeiro com o seu olho, e depois com a câmera. Composição é a organização de elementos visuais em uma obra de arte. Ou seja, o que, como e onde cada coisa entra na sua foto é a composição, e existem alguns princípios simples que ajudam a melhorá-la.

REGRA DOS TERÇOS
Uma das mais famosas e básicas regras de composição, é usada não só em fotografia, mas em pintura e design. Imagine duas linhas na horizontal, dividindo a foto em parte iguais. Depois faça o mesmo com duas linhas verticais. Você terá nove partes iguais. Ah, é simples, veja só: Certo? Agora, a regra dos terços diz que os elementos principais da sua composição devem estar ao longo dessas linhas, ou em suas interseções e não, por exemplo, no centro. Então, digamos que você vá tirar foto de uma paisagem. Em vez de usar a linha do horizonte pra dividir a foto, coloque-a no terço de baixo. Se há um elemento principal na paisagem, coloque-o ao longo das linhas verticais. Veja um exemplo: Note a posição do horizonte e do barco. Isso é Londres vista da Tower Bridge. Essa regra vale também quando você estiver tirando fotos de alguém posando em frente a algum lugar: posicione a pessoa mais ao lado, e não no centro da foto. Aproveitando o embalo dos terços, tente sempre deixar o horizonte reto, a não ser que você esteja atrás de algum efeito específico. Algumas máquinas permitem colocar as linhas guias no visor, mas não é necessário — ao menos eu nunca usei. Não precisa pirar em acertar tudo milimetricamente, exatamente. A idéia é mais você ter um senso de equilíbrio na foto, e não é porque o horizonte ficou um pouco mais pra lá que a sua foto estragou. E lembre-se que existem outras regras de composição além da regra dos terços (ela é apenas o começo). É só pra pensar um pouco antes de sair centralizando tudo, o que é um instinto comum.

NOVOS ÂNGULOS
Outra coisa que é um instinto comum é olhar algo pela primeira vez, de frente, e bater a foto, plá! Normal, mas por que parar nisso? Nem sempre o primeiro ângulo frontal que todo mundo vê é o mais interessante. Aliás, raramente é. Dê a volta, agache, olhe pra cima, olhe pra baixo. O objeto que você está fotografando é em três dimensões — você consegue notar isso na foto? Existem outros ângulos ou recortes que podem ser mais originais e mais interessantes?

DETALHES E RECORTES
Depois que você tira uma foto mostrando o objeto em sua totalidade, pode ser legal prestar atenção às partes que o compõem. Muitas vezes, há grandes oportunidades escondidas que podem ser exploradas demorando um tiquinho a mais olhando pro objeto, em vez de já sair pro próximo.

PRESTE ATENÇÃO NO QUE ESTÁ AO FUNDO
É facim, facim a gente olhar o visor da câmera e ficar focado somente no nosso objeto, esquecendo o resto. E daí, quando vai ver em casa, no computador, em tamanho maior, aquela foto maravilhosa foi estragada por um cabeção, um turista pondo o dedo no nariz, etc. É legal pausar um segundo antes de tirar a foto (assumindo que você tenha esse segundo) e passar o olho pelo visor todo, buscando elementos que estejam poluindo sua foto. Lembre-se que o olho enxerga de maneira nítida em uma área central muito pequena. A maior parte de nosso campo de visão é composto de visão periférica, de pouca nitidez. Mexa, então, o olho e veja com nitidez o quadro todo. Procure por problemas também nos cantos, como algo vazando no seu enquadramento (embora esse caso seja menos grave, já que é mais fácil de cortar depois). Nem sempre o elemento que está entrando na foto é de outras pessoas. Conhece o famoso dedão na frente da lente? Então. Outro pilantra que adora estragar foto é a alça da câmera.

2. LEVE EM CONTA A LUZ DO DIA

Sendo que fotografia quer dizer "desenhar com luz", é meio óbvio que a luz do dia interfere totalmente no resultado da sua foto. O primeiro cuidado é entender onde o sol está no horizonte (atrás de você? Na frente? É manhã, meio dia ou entardecer?) e compor sua foto de acordo.

FOTOGRAFANDO CONTRA O SOL
Tem um mito de que o sol deve estar sempre às suas costas. Depende do caso, na verdade. Por exemplo, se você estiver fotografando pessoas, e o sol estiver às suas costas, provavelmente ele irá bater em cheio no rosto do modelo. E aí sai aquelas caras franzidas esquisitas. Dependendo da hora do dia pode ser melhor ter o sol de lado, ou se for um pôr-do-sol, até na sua frente. Às vezes, uma foto contra o sol pode ser muito interessante. O sol alto pode ser bem legal pra tirar fotos de paisagem, com aquele céuzão azul, mas também podem produzir sombras muito marcadas. Um jeito de usar isso como vantagem é regular sua câmera pra preto e branco e explorar esses contrastes marcados: Quando se fala em foto ao fim do dia, todo mundo pensa logo em foto de pôr-do-sol! Mas há antes disso um momento que o sol atinge certa altitude no céu, banhando o mundo em uma luz quente, indireta e difusa (ao contrário da luz do sol a pino, direta). Cores são destacadas e é um momento mágico pra fotografar — e aproveitar. Em inglês, é chamada de "golden hour", a "hora dourada".

FOTO NOTURNA
Aqui o bicho pega. Foto noturna é toda uma especialidade, e daquelas avançadas. É um dos casos onde o equipamento pode realmente fazer a diferença. Sem entrar no mérito de câmeras manuais ou lentes, as câmeras compactas fazem um grande esforço para aumentar o ISO (sensibilidade do sensor) sem aumentar muito o ruído (distorções na imagem), inclusive aplicando alguma correção via software pra retirar o ruído. Flash é inútil pra objetos distantes, vale investir em um tripé, mesmo que barato, que dará estabilidade pra sua foto noturna. Mas sempre dá pra improvisar, apoiando a câmera em algo.

FUJA DO PADRÃO
O padrão de foto-turista em viagem é o casal abraçado e sorrindo posando na frente de algum lugar famoso (ou só sorrindo, se estiver sozinho). Ou então dando pulos, com eles congelados no ar e, os clássicos chavonescos, segurando a torre inclinada de Pisa ou a Torre Eiffel entre os dedos a partir do Trocadéro. Mas, de novo, não precisa ficar só nisso. Fotos espontâneas ficam legais. Sem pose, sem nada, apenas captar um momento. Às vezes se erra, às vezes se acerta, e quando se acerta as fotos ficam bem mais legais do que as clássicas fotos-sorriso-congelado-em-frente-à-torre (algumas ficam engraçadas). Mesmo se for posar, não precisa ficar de frente, e congelar o sorrisão.

3. DESLIGUE O FLASH

Um monte de regulagem completamente automática dispara o flash a torto e à direito, e isso pode causar diversos problemas. Primeiro, a luz do flash na hora errada pode simplesmente chapar sua foto, tirando profundidade, criar cores estranhas, refletir em óculos e outras superfícies. Segundo, pra objetos distantes, não adianta ter o flash ligado, mesmo que seja de noite. Você estará apenas gastando sua bateria à toa, e numa viagem uma bateria vazia pode significar muitas fotos perdidas. Existem momentos em que o flash é necessário e tem aplicação, mas em geral, nessas viagens, ele não é, e na dúvida, desligue. Além de não ser nenhuma grande vantagem na maioria dos casos, o flash pode se tornar um grande inconveniente para os outros. Em alguns lugares é proibido usar o flash, e por motivos completamente sensatos. Já vi turistas entrando em uma Igreja, apontando a máquina pra um fiel rezando, o que já é completamente inapropriado, e disparando o flash! Sério! E o pior é que depois o lugar proibe as fotos de uma vez e quem não tinha nada que ver com isso fica sem poder tirar foto.

4. APROVEITE A VIAGEM

Nesse artigo abordamos a fotografia como complemento da viagem, não como seu foco — o que pode muito bem ser, mas é outro assunto. Se você viaja pra fotografar, muito que bem (há gente que é profissional nisso, e há trabalhos maravilhosos de pessoas que viajam só pra fotografar). Mas se você está indo para turismo, lembre-se que não há substituto pra experiência em primeira mão. Não adianta zunir por tudo, correndo e clicando aleatoriamente, pensando que ver depois vai ser a mesma coisa. Não vai. Tem hora que a câmera tem de ficar de lado. Longe de ficar fotografando tudo, na ânsia de reter o máximo possível, nem que seja pra ver depois, fotografar nos faz observar melhor os lugares que visitamos. Passamos a observar detalhes, momentos, formas que antes passavam despercebidos. Andar com uma câmera nos ajuda a buscar outros ângulos além do primeiro, óbvio e frontal. Se tem uma mensagem desse artigo é justamente prestar atenção no que você está fazendo e no novo ambiente que o cerca. Fotografar pode ajudar, ou atrapalhar nisso. Faça sua escolha.

Retirado de www.ducsamsterdam.net

Outras Dicas

5 dicas: Melhore suas fotos

Uma das primeiras preocupações de quem começa a fotografar é saber configurar bem a câmera... >>> LER MAIS

8 dicas: Organizando seu evento

A produção de festas particulares requer tantos cuidados quanto a produção de qualquer outro tipo de festa... >>> LER MAIS

4 dicas: Fotos de viagem

Apesar da tensão sempre existente, entre fotografar e vivenciar uma viagem... >>> LER MAIS